Família Ribeiro

Uber lança serviço de bicicleta elétrica em Lisboa

É a segunda cidade da Europa a contar com as “Jumps”, que chamam a atenção pelo vermelho fluorescente. Berlim foi a primeira. Preço não é barato

Olá, tudo bem? Portugal e Lisboa, mais uma vez, ganham destaque mundial com a inovação do Uber ao lançar serviço de bicicletas elétricas na cidade.

A Jump, nome da empresa parceira do Uber, liberou as bikes nesta quinta-feira, dia 28 de fevereiro. É a segunda cidade da Europa a contar com o serviço, que já existe em Berlim, na Alemanha.

O modelo tem design diferenciado e cor diferentona (vermelho fluorescente), o que chamou a atenção das pessoas que passavam pela Avenida República, na região de Saldanha, no primeiro dia de funcionamento.

Bicicleta elétrica Jump, do Uber. O problema é o barulho na parte traseira e a cestinha que fica na frente: um terror para os neuróticos por barulhinho. Foto: Reprodução/Uber

Todos queriam ver de perto as novas bicicletas da Jump, com um adesivo “by Uber”. Uma filipeta presa ao guidão dizia que o serviço é grátis para até duas viagens por dia, de até 20 minutos cada. Depois disso, 15 cêntimos de euro por minuto.

Agora as bikes já fazem parte do cenário de Lisboa. Afinal, são 750 unidades espalhadas pela cidade.

Como usar as bikes elétricas do Uber

Vídeo publicado no canal do Youtube do Portugal Online Oficial (www.youtube.com.br/portugalonlineoficial)

É relativamente fácil usar as bikes Jump, do Uber. Mas atenção: só pode aproveitar o serviço quem tiver o aplicativo Uber instalado e atualizado no celular.

  1. Abra o aplicativo do Uber, que vai mostrar duas opções: a de chamar um carro ou “pedalar”. Escolha “pedalar”.
  2. O aplicativo vai mostrar no mapa as bicicletas perto de você. Mas o app da Jump tem algo legal que é a opção de você poder reservar a bicicleta, evitando que outra pessoa chegue primeiro e pegue aquela unidade. Isso é bem legal!
  3. Quando chegar na bicicleta, você terá que digitar um código emitido pelo aplicativo do Uber em um teclado instalado na “garupa”.
  4. Esse código vai destravar o cadeado da bicicleta, que está presa em algo fixo. Essa é uma diferença interessante em relação às bicicletas da empresa Gira, que só tem estações fixas, como as do Itaú e do Bradesco, no Brasil, ou a Citibike, do Citibank, em Nova York. As bikes do Uber você pode deixá-la, teoricamente, em qualquer lugar desde que ela fique presa com o cadeado, que tem na própria bicicleta. Mas o próprio aplicativo recomenda que você deixe a bike apenas em determinados locais. Lisboa tem barras metálicas específicas para você prender a bicicleta, principalmente perto das ciclovias, que cortam a cidade.

Preços da bicicleta do Uber em Lisboa

A bicicleta elétrica do Uber, depois que acabar o período promocional dos primeiros 20 minutos são grátis, o usuário irá pagar 0,15 cêntimos (ou centavos) de euro. Confesso que achei o preço bem caro.

Se você pedalar durante uma hora com a bicicleta, a 15 centavos de euro, no final do passeio você vai gastar 9 euros!!!

Preços da Gira x Jump, do Uber

Para se ter uma ideia do valor, fiz uma comparação de preços entre uma volta com a Gira e quanto eu gastaria com a Jump para fazer o mesmo trajeto. Lembrando que a Gira tem três formas de pagamento: anual, mensal ou diário. Eu uso aqui o pacote anual, de 25 euros.

Saí da estação de Metrô de Telheiras com uma bike da Gira e fui até a Praça do Município, a poucos metros da Praça do Comércio, em Lisboa. Foram oito quilômetros, passando por Saldanha, Picoas, Marquês do Pombal, avenida da Liberdade e pelo centro da cidade até chegar perto do Rio Tejo.

Registrei o passeio no aplicativo Strava, que grava várias informações durante a atividade ao ar livre, como corrida, pedalada, bicicleta etc. Veja as imagens a seguir.

Tela do aplicativo Strava, que registrou a viagem de bicicleta entre a estação de metrô Telheiras até a Praça do Município. Foram 5 milhas, ou 8 quilômetros

Se eu usasse a bike elétrica do Uber, esse passeio custaria 6,30 euros. Bem caro, realmente. Se eu pegasse um carro do Uber, essa mesma viagem, em um final de semana (quando tem menos trânsito), custaria exatos 8,00 euros.

A Gira, operada pela Emel, é minha bicicleta preferida. Você pode pegar a simples ou a elétrica. E ao contrário das bicicletas do Uber, que fazem aqueles barulhinhos chatos da cesta na garupa, as Gira são muito gostosas de dirigir.

A Gira oferece pacotes anual (25 euros), mensal (15 euros) e diário, que está com preço promocional de 2 euros por 24 horas.

Bicicleta da marca Gira, que fica estacionada em pontos fixos, como as do Itaú e Bradesco, no Brasil, e do Citibank, em Nova York. Foto: Reprodução site oficial www.gira-bicicletasdelisboa.pt
Esses são os preços da Gira, que tem passe anual de 25 euros

Enfim, a questão do preço pode ser bastante relativo dependendo da utilidade da bicicleta. A entrada das bikes compartilhadas do Uber vai oferecer mais uma opção de mobilidade urbana em Lisboa.

Além das bicicletas, o morador da cidade tem ainda várias empresas de patinetes (ou trotinetes) elétricos. Sem contar o metrô, os trens, ônibus e os bondes, que funcionam perfeitamente.

Patinete da marca Lime, que começou a funcionar no final do ano passado. Foto: Kris Krug/Lime Service Press

Carro em Lisboa? Ainda não sentimos necessidades!

Até mais!

Ricardo Ribeiro, 47 anos, é jornalista brasileiro e se mudou para Lisboa com a família em maio de 2018.

Comente!