Ricardo Ribeiro e Claudia David Ribeiro se mudaram de São Paulo para Lisboa em maio de 2018. Foto: Divulgação/Portugal Online Oficial

Lisboa – Com o fechamento de fronteiras e viagens internacionais limitadas para muitos países por causa da pandemia do Covid, brasileiros agora usam plataformas digitais para a compra de imóveis em Portugal.

Nos últimos meses eles negociaram à distância propriedades pelo Zoom e aplicativos como WhatsApp e Telegram. Os investimentos são diversificados, como a compra da casa para férias na Europa e mudança de país com a família, mas principalmente para garantir rendimentos com o aluguel em moeda forte, como o Euro.

Os compradores podem fazer toda a negociação sem sair de casa no Brasil, ou em outros países, e todo o processo é online. “Primeiro, selecionamos as propriedades de acordo com o gosto do cliente, como tamanho, número de quartos, valor, características etc. Depois, visitamos as casas e apartamentos e transmitimos as imagens ao vivo para o cliente, que pode tirar as dúvidas na hora. E nosso trabalho tem uma grande diferença: além de filmar e comentar sobre o imóvel, fazemos um tour pelo bairro e mostramos como é a vizinhança”, conta o jornalista Ricardo Ribeiro, 50, que se mudou de São Paulo para Lisboa em maio de 2018.

Brasileiros são os que mais compram imóveis em Portugal

Em negociações como a compra de um imóvel, por exemplo, que às vezes envolvem cifras milionárias, a confiança entre as partes é fundamental. “Por incrível que pareça eu não conheço os meus clientes pessoalmente, só pelo Zoom e WhatsApp. E 100% dos meus negócios foram feitos à distância”.

Ricardo Ribeiro conta que trabalha com procuração de plenos poderes. “Resolvo todas as questões para os clientes, desde a abertura de conta no banco até a escritura”. O jornalista se especializou em atender clientes estrangeiros, principalmente brasileiros, e é consultor imobiliário da equipe Move On da Remax Grupo Latina, o maior de Portugal. Ricardo faz parte de uma equipe de 25 profissionais, especializados em todo tipo de imóvel e com toda infraestrutura jurídica e de comunicação e marketing.

Ricardo Ribeiro também criou um formato diferenciado para fechar negócios. “Como sou brasileiro e fiz a mudança de país, sei exatamente o que sente uma família que vai passar pelo mesmo desafio. É diferente você escolher um imóvel apenas pelas fotografias e vídeos de um site. Eu não quero simplesmente vender um apartamento; eu quero ajudar as pessoas a realizarem sonhos. E mudar de país, para muitos, é um sonho”.

No primeiro semestre de 2021, na rede Remax, os brasileiros foram os que mais compraram imóveis em Portugal depois dos portugueses, que lideram a lista. Depois aparecem os ingleses e os franceses. O volume de negócios da Remax Portugal foi de 2,9 bilhões de euros, relativos a 36.617 transações.

Financiamento de imóveis em Portugal

Muitos compradores escolhem fazer financiamento em vez de pagar o imóvel à vista, já que os juros em Portugal são mais baixos em relação ao Brasil. Ricardo Ribeiro explica que o brasileiro geralmente consegue financiar entre 65% e 70% do valor da propriedade. “Depois da análise dos rendimentos, nossa equipe consegue mostrar para o cliente qual o banco mais vantajoso”.

Relocation em Portugal

Ricardo Ribeiro trabalha com a mulher e sócia, Cláudia David Ribeiro. Além da visita virtual com os ‘olhos de um brasileiro’, eles cuidam de todos os detalhes antes da mudança do cliente, como a instalação de TV, internet, água, energia elétrica e gás, além da faxina e manutenção.

“Também temos equipes que podem tratar de questões jurídicas e documentação, como a equivalência de diploma. E se o cliente quiser, compramos os móveis e decoração para a casa e até os carros, se necessário. Também ajudamos a encontrar a escola ideal para os filhos. Nós sentimos na pele o que é mudar de país sem ter um apoio desse tipo. Parece pouca coisa, mas faz uma diferença gigantesca quando você chega em um novo país”, conta Cláudia, que durante 22 anos dirigiu uma empresa de comunicação e assessoria de imprensa no Brasil, a Vipcomm.